Controle de Processos

Insira seu usuário e senha para acesso ao software jurídico

Notícias

TJRS julga válida lei que obriga divulgação de lista de matrículas da rede municipal

Os Desembargadores do Órgão Especial do TJRS julgaram constitucional lei do município de Guaíba que determinou a publicação da lista de alunos e suas respectivas matrículas nas escolas da rede do município, no site da Prefeitura. A decisão é dessa segunda-feira . Caso A Ação Direta de Inconstitucionalidade foi proposta pelo Prefeito de Guaíba contra a Lei Municipal nº 3.707, de 28 de agosto de 2018, que instituiu o Programa Matrícula Transparente. A norma prevê que a Prefeitura pulgue em seu site a lista de sorteados e suplentes para as vagas de creches e escolas da Educação Infantil e de Educação Fundamental do município. A lista, que deve ser publicada 24 horas após o sorteio, deve conter o nome do aluno, do responsável, data de nascimento, data de solicitação da vaga, a ordem e a posição dos sorteados e suplentes e a escola que o aluno foi encaminhado.  Conforme o Prefeito, a norma é oriunda de projeto de lei de iniciativa parlamentar e cria obrigações para o Poder Executivo, afrontando princípios da Constituição Federal e da Lei Orgânica do Município. Decisão No TJ, o relator do processo foi o Desembargador Rui Portanova, que julgou improcedente a ADIN. Ele afirmou que a lei confere "maior concretude ao princípio da transparência, verdadeiro mandamento constitucional". No voto, o magistrado destaca que não se trata de regra que disponha sobre a organização ou forma de prestação dos serviços de educação. "O diploma legal combatido nada refere acerca de quais práticas administrativas devam ser adotadas, limitando-se a impor metodologia de pulgação dos atos estatais que permita ao cidadão um controle mais estreito das práticas já adotadas pela Administração, em especial no que diz respeito à prestação de tais serviços públicos." E afirma que a proposta da lei por parte do Legislativo está de acordo com as regras constitucionais.          "A norma guerreada corporifica o exercício, pelo Poder Legislativo, do papel que lhe é constitucionalmente imposto de exercer o controle externo da Administração Pública", decidiu o relator. O voto foi acompanhado pela unanimidade dos Desembargadores do Órgão Especial. Processo nº 70079285938
16/04/2019 (00:00)
© 2019 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.